AGRICULTURA DE PRECISÃO | FLORESTA
Inserir subtítulo aqui

Tradicionalmente, o agricultor faz a gestão das suas culturas através da observação ao percorrer o campo. Tal método tende a ser mais demorado se as propriedades forem extensas. Mais, só serão detetados os problemas visíveis a olho nú, identificáveis através de folhas murchas, amareladas ou secas, o que pode comprometer a performance da planta pois o processo para a sua recuperação já deveria ter acontecido antes destes sinais serem visíveis.

A utilização de sensores em drones torna-se vantajoso pois permite aceder a informação invisível ao olho humano, mais propriamente, ao nível da estrutura celular da folha onde são refletidos os fatores de stress, antes de evoluirem ao ponto de serem detetáveis a olho-nú. Estas leituras são feitas, entre outros, utilizando sensores na gama do infravermelho. No processo de evolução do problema, o estágio final culmina com sinais evidentes de baixo desempenho da planta, algo que poderia ser mitigado se fossem realizadas leituras durante as fases criticas da evolução vegetativa da planta e onde esta está mais vulnerável ao ataque de fatores externos.

Ao utilizar drones com sensores instalados, os mesmos vão realizar rapidamente o levantamento de toda a área cultivada e os dados após processados, podem ser analisados através de uma carta georreferenciada (GPS) identificando-se de imediato com as áreas afetadas. Assim, intervém-se unicamente nas zonas que manifestam problemas ao invés de se fazer uma ação generalizada em toda a cultura, o que por norma é recorrente pois quando se verifica um determinado problema em uma área da cultura, assume-se que as restantes plantas também padecem da mesma situação, o que por vezes pode não ser verdade.

Ao agir unicamente sobre a área afetada (e não na totalidade da parcela), geram-se ganhos nomeadamente em recursos humanos, poupança de fitofármacos, análises de solos e foliares e também ambientais.

O uso de drones permite rapidez na recolha de informação, as decisões são mais rápidas e suportadas, sempre com o objetivo da uniformação da produção e maximização da cultura.



AGRICULTURA DE PRECISÃO: PRODUTOS GERADOS

| Vigor vegetativo - Aplicação de diferentes índices de vegetação, entre os quais  o Índice de Vegetação por Diferença Normalizada (NDVI).

| Stress hídrico: Identificação das áreas onde poderá existir mais carência de água.

| Identificação de carências nutricionais: Identificação de zonas dentro do bloco de cultivo com défice de nutrientes.

| Necessidades de fertilização (azoto): Aplicações à zona de acordo com as carências das diferentes plantas.

| Apoio às colheitas: Controlos de maturação para realização de colheitas mais uniformes


| Identificação vegetação indesejada (infestantes) 

| Identificação da presença de doenças ou pragas 

| Controlo fitossanitário 

| Acompanhamento da plantação até à fase da colheita

| Contagem de plantas

| Inventário de culturas 

| Cálculo da área de coberto vegetal 


FLORESTA

| Gestão do coberto florestal

| Acompanhamento da evolução da cultura

| Cadastro florestal

| Identificação infra-estruturas

| Contagem de plantas


As vantagens da utilização destas ferramentas na agricultura e floresta são:

| Identificar as zonas da área cultivada que apresentam problemas.

| Rapidez na recolha de informação. Decisões mais rápidas.

| Intervenções só nas zonas afetadas - em vez de ser de forma generalizada

| Produção de diferentes mapas temáticos de acordo com a informação recolhida

| Informação georreferenciada o que permite a identificação precisa da zona a intervir

| Criação de mapas de prescrição de acordo com a área a intervir

| Antecipação do comportamento da cultura face a fatores de stress

| Economia nos produtos a aplicar na cultura

| Rentabilização dos recursos humanos e materiais

| Ganhos ambientais